Bem-vindo à FAAN

Seja bem-vindo ao portal da Fundação Dr. António Agostinho Neto, nosso objectivo é promover a pesquisa e divulgação da vida e da obra do Dr. António Agostinho Neto; Promover actividades para melhorar o bem-estar e a condição dos angolanos; A promoção da educação, da ciência, da tecnologia e da cultura, para incentivar a criação e a inovação, de todo o tipo e sob todas as formas, e a investigação científica e tecnológica.

Versão para impressão
PDF

O OUTRO OLHAR (L´ALTRO SGUARDO) FOTÓGRAFAS ITALIANAS 1965-2015 NA TRIENAL DE MILÃO

5.OUT.2016-8.JAN.2017

aarco6.jpg - 30.11 Kb aarco7.jpg - 25.35 Kb

aarco8.jpg - 16.46 Kb aarco9.jpg - 30.68 Kb

aarco10.jpg - 217.39 Kb

Augusta Conchiglia, foto-jornalista italiana que reportou as imagens da luta de libertação nacional levada a cabo pelo MPLA no interior do país nos anos 60-70, em companhia do cineasta Stefano di Stefani, acaba de expor o seu trabalho na Trienal de Milão, a decorrer no Palácio da Trienal de 5 de Outubro de 2016 a 8 de Janeiro de 2017 (coincidentemente, desde o Dia da Implantação da República Portuguesa até ao Dia da Cultura Nacional de Angola).

A Itália não é estranha à história e lutas de Angola. Desde o trabalho de Gioconda Salvadori, mais conhecida como Joyce Lussu, foi uma espécie de pátria literária para Agostinho Neto, segundo a Prof. Mariagrazia Russo da Universidade de Estudos de Tuscia de Viterbo.O público italiano teve acesso à primeira publicação, em italiano no ano de 1963, do livro de poemas "Con occhi asciutti" publicado por Joyce Lussu, a primeira nação no estrangeiro que publicou uma obra totalmente dedicada a Agostinho Neto (havia apenas um livro "Poemas" publicado com alguns poemas pela Casa dos Estudantes do Império em 1961 em Lisboa).

Esta exposição colectiva organizada pela curadora Rafaella Perna, única no seu género em Itália, reúne uma selecção de mais de cento e cinquenta fotografias e livros fotográficos da Colecção Donata Pizzi, concebida para favorecer o conhecimento e a valorização das mais significativas intérpretes do panorama fotográfico italiano desde a metade dos anos sessenta até hoje.

Na Itália, o ingresso em massa de fotógrafos, foto-repórteres e artistas no circuito cultural remonta aos anos sessenta. Nessa época, o acesso de mulheres à arte e ao foto-jornalismo - ambos apanágio masculino durante muito tempo - deve-se ás alterações sociais repentinas e às lutas feministas. Graças às conquistas daquelas gerações, as fotógrafas e artistas detêm posições em primeiro plano na cena cultural italiana e internacional. Ainda assim, muito do seu trabalho deve ser redescoberto, promovido e valorizado.

Encontram-se expostas fotos de: Paola Agosti, Martina Bacigalupo, Isabella Balena, Marina Ballo Charmet, Liliana Barchiesi, Letizia Battaglia, Tomaso Binga (Bianca Menna), Giovanna Borgese, Marcella Campagnano, Silvia Camporesi, Monica Carocci, Lisetta Carmi, Gea Casolaro, Elisabetta Catalano, Carla Cerati, Augusta Conchiglia, Paola De Pietri, Agnese De Donato, Paola Di Bello, Rä di Martino, Anna Di Prospero, Bruna Esposito, Eva Frapiccini, Simona Ghizzoni, Bruna Ginammi, Elena Givone, Nicole Gravier, “Gruppo del mercoledì” (Bundi Alberti, Diane Bond, Mercedes Cuman, Adriana Monti, Paola Mattioli, Silvia Truppi), Adelita Husni-Bey, Luisa Lambri, Lisa Magri, Lucia Marcucci, Raffaela Mariniello, Allegra Martin, Paola Mattioli, Malena Mazza, Libera Mazzoleni, Gabriella Mercadini, Marzia Migliora, Verita Monselles, Maria Mulas, Brigitte Niedermair, Cristina Omenetto, Michela Palermo, Lina Pallotta, Beatrice Pediconi, Agnese Purgatorio, Luisa Rabbia, Moira Ricci, Sara Rossi, Marialba Russo, Chiara Samugheo, Shobha, Alessandra Spranzi, Francesca Volpi.

Prémio de Investigação

 Logo Prémio de Investigação Histórica

Jovens Escritores

REDES SOCIAIS

SUBSCREVER NEWSLETTER

Nome:
Email: