Bem-vindo à FAAN

Seja bem-vindo ao portal da Fundação Dr. António Agostinho Neto, nosso objectivo é promover a pesquisa e divulgação da vida e da obra do Dr. António Agostinho Neto; Promover actividades para melhorar o bem-estar e a condição dos angolanos; A promoção da educação, da ciência, da tecnologia e da cultura, para incentivar a criação e a inovação, de todo o tipo e sob todas as formas, e a investigação científica e tecnológica.

Versão para impressão
PDF

ANTERO ALBERTO ERVEDOSA DE ABREU (22.2.1927- 15.3.2017)

aaantero.jpg - 598.30 Kb

A Fundação Dr. António Agostinho Neto inclina-se respeitosa e profundamente perante a memória do Dr. Antero Alberto Ervedosa de Abreu, falecido no dia 15 de Março de 2017 em Viana do Castelo, Portugal, por doença e endereça os seus sentimentos de pesar à viúva, Sra. D. Mabilde de Abreu e família. Foi um grande amigo, colega e colaborador de Agostinho Neto assim como de sua família, partilhando a sua erudição e paixão pela cultura e arte de forma pródiga e com muita simplicidade.

Nascido em Luanda, a 22 de Fevereiro de 1927, o Dr. Antero de Abreu estudou em Luanda e partiu para Portugal para estudar Direito, primeiro em Coimbra onde foi dirigente da Casa dos Estudantes do Império – CEI., e, posteriormente, em Lisboa, onde terminou o curso. Em 1949, com Agostinho Neto e Vergílio Simões Moreira, convidam o general Norton de Matos a visitar Coimbra durante a campanha eleitoral à Presidência da República.

Após a sua formação regressou ao país e exerceu advocacia em Luanda tendo sido, durante o tempo colonial um profuso activista no incremento associativo e cultural de Luanda, destacando-se particularmente a sua actividade no Departamento cultural da Associação dos Naturais de Angola – ANANGOLA e na Sociedade Cultural de Angola onde, para além da sua colaboração literária, esteve ligado à actividade do Cine-Clube, tendo-se tornado um crítico de cinema atento, lúcido e observador.

A Mensagem, órgão da ANANGOLA, veiculou as ideias do movimento “Vamos descobrir Angola” e impulsionou iniciativas para a emergência de uma literatura angolana. Entre os fazedores desta nova literatura destacaram-se Mário António, Agostinho Neto, Viriato da Cruz, António Jacinto, Mário Pinto de Andrade, António Jacinto, Alcântara Monteiro, Leston Martins, Maurício Gomes, Agnelo Paiva, António Cardoso, Luandino Vieira, Antero de Abreu, Cochat Osório, Óscar Ribas, entre outros. Muitos dos textos da Mensagem seriam depois reeditados em publicações da CEI através de Carlos Ervedosa.

Foi um dos advogados que defendeu presos políticos em Angola, nos vários processos que se foram sucedendo. Na 2ª prisão de Agostinho Neto no Porto, em Portugal, no ano de 1955, foi uma das suas testemunhas de defesa assim como os advogados Diógenes Boavida e Júlio de Castro Lopo, os médicos Eduardo Macedo dos Santos, Telmo Crato Monteiro e Julieta do Espírito Santo e ainda Maria Isabel Barroso, Lúcio Lara, Mário Soares, António Raúl Simões Neto, Joaquim Rodrigues, Carlos Veiga Pereira, Raul Avila Vasconcelos, Ivo Lóio, Carlos Hohnemann Saavedra Amboim Inglês, António Ramos de Almeida Dias, António Vilela, David Bernardino, Óscar Figueiredo e muitos outros.

Publicou os seus primeiros poemas no Meridiano, Boletim da Casa dos Estudantes do Império em Coimbra. Possui poemas e contos publicados em diversas revistas e páginas literárias, nomeadamente: Mensagem (CEI), Via Latina, Mensagem (ANANGOLA), Cultura (II), ABC, A Província de Angola, Itinerário, Vértice, e outras.

Possui igualmente textos publicados em antologias, nomeadamente: Antologia Poética Angolana (1950), Poetas Angolanos (1959), Antologia Poética Angola (1963), Mákua, III (1963), No Reino de Caliban. Antologia Panorâmica da Poesia Africana de Expressão Portuguesa, Poesia de Angola (1976), Entre a Lua, o Caos e o Silêncio, a Flor (1976). É membro fundador da União dos Escritores Angolanos e da Academia de Letras e de Ciências Sociais.

Durante o Governo de transição em 1975, a equipa de juristas que estava a trabalhar na Lei Fundamental e na Lei Eleitoral era integrada por Antero de Abreu e Maria do Carmo Medina, pelo MPLA, Onofre dos Santos, pela FNLA, e Joaquim Fernandes Vieira e Fonseca Santos, pela UNITA.

Foi o segundo Procurador-Geral da República Popular de Angola e exerceu durante vários anos, as funções de Embaixador de Angola na Itália e em Malta.

Nesta despedida a uma geração que transformou o país e conquistou a maior glória, a Fundação agradece e faz votos de que descanse para todo o sempre em paz.

FUNDAÇÃO DR. ANTÓNIO AGOSTINHO NETO, Luanda, 15.3.2017

 

 

Prémio de Investigação

 Logo Prémio de Investigação Histórica

Jovens Escritores

REDES SOCIAIS

SUBSCREVER NEWSLETTER

Nome:
Email: